TEATRO DAS SOMBRAS



Esse último espetáculo

De arrependimento e

Agonia é o pensamento

Que naufraga entre os

Rochedos, é a última

Palavra que pesquei

De meus olhos cheios

De nuvens.



Não houve ensaio,

Apenas erros. Esse grande

Palco me ensinou que

Não tenho vocação

Para atriz e nem também

Para ser feliz. A felicidade

É apenas para os que

Merecem. Esta claúsula

Não constava no meu

Contrato.



Desculpe a fala que não

Estava no roteiro, a súbita

Emoção impossível de conter.

Perdi o equilíbrio e fui além.

Não inventei o que saiu

Da minha boca.

Veio como uma tempestade

De final de tarde, alagando

O meu peito. Entendo as

Consequências de todos

Os meus erros. Não peço

Mais desculpas. O público

Não mais acredita em mim.



Limito-me a fechar as

Cortinas silenciosamente

E seguir em frente. Obrigado

Por prestar atenção a este

Solilóquio de última hora.



Que as luzem se apaguem.

Estou indo embora.



Karla Bardanza






















































































Comentários

Maravilhosa, tua escrita me encanta, fico feliz em te conhecer e tenha uma bela tarde e noite, beijos !
Karla, gostei muito mesmo, então escrevi isso para voce, eu acredito:


Ensaio

Nunca ocorrerá o ultimo
Todos estarão ausentes
Não haverá arrependimentos
Só os bons e velhos sentimentos
No rochedo todos são sobreviventes
Daquelas noites de solidão e engano
E a nevoa dos olhos dissipara
Um azul galopante anuncia
Tudo isso foi um ensaio
Agora volte e faça melhor
Todos somos loucos e atores
E você tem algo impar, só teu!
A grande diferença são teus sabores!
Que busca no degustar da vida
Aquilo que esta dentro de ti
Neste belíssimo ensaio
Fez tudo que quis e olhe bem
Pois foi muito feliz
Não houve fala que não condiz
E sim interlocução desequilibrada
Não se inventou tempestade
Houve boca gostosamente beijada
E bem agora que se desculpa
O publico em você mais acredita
Pois tem a força de dizer que errou
Mas quem assistiu insiste em dizer:

Nada disso, você é tudo te bom!
Todos vimos como se esforçou
E no teu empenho conquistou
Admiração e simpatia, amor e fervor!
E aquilo que procurava e já disse
Dentro de ti sempre habitou
Daqui da para ver a felicidade, no teu sorriso!
Nos daqui aplaudimos a feliz e bela mulher
Tudo isso de pé!

Ulisses Reis®
20/12/2010

Para Karla Bardanza (http://karlabardanza.blogspot.com )
...traigo
sangre
de
la
tarde
herida
en
la
mano
y
una
vela
de
mi
corazón
para
invitarte
y
darte
este
alma
que
viene
para
compartir
contigo
tu
bello
blog
con
un
ramillete
de
oro
y
claveles
dentro...


desde mis
HORAS ROTAS
Y AULA DE PAZ


COMPARTIENDO ILUSION
KARLA

CON saludos de la luna al
reflejarse en el mar de la
poesía...


AFECTUOSAMENTE : OS DESEO UNAS FIESTAS ENTRAÑABLES 2010- Y FELIZ AÑO 2011 CON TODO MI CORAZON….


ESPERO SEAN DE VUESTRO AGRADO EL POST POETIZADO DE ACEBO CUMBRES BORRASCOSAS, ENEMIGO A LAS PUERTAS, CACHORRO, FANTASMA DE LA OPERA, BLADE RUUNER Y CHOCOLATE.

José
Ramón...

Postagens mais visitadas na última semana