DES-INSPIRAÇÃO

 Malcolm T Liepke





Ouço a voz bruta do Atlântico
entrando pela minha janela
enquanto rio das culpas que a vida trouxe-me,
sem perdoar nenhuma nuvem,
sem procurar por fragmentos de sentidos.

A elegante performance
do mar repetida infinitamente 
cresce em mim:
as palavras esbarram em minhas emoções.
Tento retardar o verão
e essa alegria pegajosa
e sem justificativa que o acompanha. 
Tento não pensar no mistério
além das metáforas.

Mas algo parece ajudar-me
a reconhecer a minha própria voz
depois de tanto tempo.

As ondas levam-me de volta
para o suave agora
e nada espero para depois,
além desse oceano
dissolvendo-se com delicadeza
para alimentar
os meus caprichos de poeta.



Karla Bardanza



Copyright © 2013 Karla Bardanza Todos os direitos reservados
Photobucket

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana