A GREVE NOSSA DE CADA DIA





Quando mais em greve,
não estou mais alforriada.
Alguém esqueceu de mudar essa equação
idiota que nos transforma em 
quase nada, que nos achata diariamente
e nos amaldiçoa.

Meus diplomas são o meu orgulho,
os meus livros ainda são o meu bem maior.
É isso que sou:
Professora, sim senhor.

Quando mais em greve,
não me sinto mais leve.
O peso está dentro:
nas mãos amarradas,
na vida corrida,
na falta de respeito,
no peito aberto
e
ferido
pelo desconhecimento
de
tantos.

E eu não sou  a única:
somos muitos, tantos,
somos aqueles que ainda teimam e acreditam.
Nós, sim, matamos um leão por dia!

Quantas escolas, colega?
Quatro para uma vida digna?
Quantos turnos?
Todos os três?
Non stop?
De manhã, de tarde e de noite?

Olhem para gente!
Olhe Senhor Governador!
Olhe Senhora Presidente!
Somos reféns do sistema?
Somos os pobres-coitados?
Somos os desrespeitados?

Não somos não!!!!!!!!

Que venha a próxima passeata.
Mais uma no meu currículo,
no meu interminável currículo
de luta sem anistia.

Mesmo sem direitos,
mesmo sendo um zero para a direita e para a esquerda
tenho ainda a poesia!




Karla Bardanza









Copyright © 2011 Karla Bardanza Todos os direitos reservados

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana