E DEPOIS?

Quadro de Juan Medina





Essa luz precária,
habitante esquecida dos teus olhos,
apenas eu posso ainda ver.
Por que insisto
em olhar-te
quando cobres o teu peito
com as asas nas horas duvidosas?

É quase insuportável
quando a esperança
procura o meu coração
e eu a empurro para baixo
dos teus pneus,
para um deus que desconheço 
o nome nas noites
sem chão.

Se eu pudesse viver
todo esse delírio,
se eu pudesse
tocar o que some
dentro do coração...
De ti,
tenho a vertigem,
o descuido,
a vontade insensata
de olhos sempre azuis,
o medo que flui
quando estou quase lá
e volto
perguntando-te:
"e depois?"


Mas depois do depois
nada mais há:
nem eu,
nem você,
nem o que foi de nós dois.


Karla Bardanza





Copyright © 2012 Karla Bardanza Todos os direitos reservados Photobucket

Comentários

Bom dia amiga!
Ah se eu pudesse tantas coisas.Simplesmente lindo seu poema.
Grande abraço
se cuida

Postagens mais visitadas na última semana