TÃO MAIS SANTA, TÃO MAIS VIRGEM



Um sol pálido e terno

Repousou em meus abismos,

Derramando amargura, me

Embalando entre as tormentas

E a minha própria sombra.



Contive meus êxtases,

Acendi os vulcões, desmaiei

Em dias velados, manchados

De inverno e vertigem.



Fui ao inferno e

Voltei virgem.



As flores sufocaram o luar.

Eram noites doentes.

Enquanto minha alma

Era um mágico punhal,

O prazer subia ao firmamento,

Rasgando o meu infinito,

Chamando a ausência de

Tempo.



Foram horas graves,

Percebi meus medos suaves.

Meu sangue foi vapor,

A dor era quase uma doce

Liturgia. Exercitei minha atrocidade,

Matando meu dia, desembocando

Numa origem sem origem.



Fui ao inferno

E voltei tão mais santa,

Tão mais virgem.



Karla Bardanza


























































Comentários

Postagens mais visitadas na última semana