SAL E SORTE

Quadro de Michael Parkes



Que seja fácil,
curar-te do peso
dos pés fincados
nas coisas iguais
que deixam a boca cheia
de metáforas desnecessárias
e explicações.

Que seja rápido
a tua falta de poesia,
os teus enigmas
e parábolas,
os teus medos do teu próprio escuro,
os teus pequenos pecados.

Que sejam leves
os teus livros práticos
e as tuas teorias,
os teus manuais sem folhas,
as coisas que te distanciam
das minhas águas.

Que seja possível
criar vôos surreais
com o meu corpo
morrendo de infinito
quando te fito,
quando te sinto,
quando te dou todas
as coisas inominadas
da pele.

Que dure
muito mais
do que o espaço
entre a tua língua
e a minha
nas vezes em que
te arranco verdades.

Que seja
para além do bem,
para além da pulsão da vida
e de morte.

Que seja apenas
sal e sorte.




Karla Bardanza












Copyright © 2011 Karla Bardanza Todos os direitos reservados Photobucket

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana