A OBRIGAÇÃO DA DOR

Quadro de Marina Podgaevskaya




Estou cumprindo com fé
a minha obrigação de sentir dor
sem parar muito para pensar
porque ela está aqui
ou se a mereço.
Não questiono mais essas coisas
ou justifico-as.
(Não as aceito também)
Sinto e pronto.

Há poucas chances
de mudanças nesse momento.
Sei que a mesma dor de hoje,
vai continuar amanhã.
Sei também que não vai
doer menos, nem mais.

Talvez eu tenha me acostumado
com a farpa embaixo da unha,
com a bolha em carne viva,
com a vida sempre me deixando
na mão.


Um dia,
serei forte
e terei um espaço apenas 
para tudo que é bom,
que vale a pena guardar.
Por enquanto,
o silêncio do que dói,
a inevitabilidade de ser eu mesma
com as minhas manhas e mazelas,
as águas negras do meu inconsciente
afogando a mulher.

Um dia,
(quem sabe...)
não valorizarei tanto
os meus abismos
ou os meus achismos.
Um dia,
serei tão leve
que a dor nunca mais
vai pesar.




Karla Bardanza





Copyright © 2011 Karla Bardanza Todos os direitos reservados Photobucket

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana