JUNHO PARA PRINCIPIANTES

Quadro de Steve Delamare






Uma solidão selvagem abriu a porta
e sentou no meu sofá, convidando trovões
para aquecer os pés frios
e as palavras molhadas
sem a minha permissão.

Algumas (des)necessárias nuvens choram copiosamente
pelas vidraças da janela e as cortinas estão eternamente
fechadas, pois a escuridão não tem 
hora para se despedir.

Casacos casam-se com cachecóis
enquanto a noite esfria o café,
e eu carrego o meu guarda-chuva 
retrô de bolinhas coloridas
através das ruas do ex-agora.

Nada espero em junho
além de tirar uma soneca enquanto Perséfone
ou Proserpina para os mais íntimos,
 deita-se com o seu homem
cheia de devoção e cuidados.
Hades raptou-a novamente
e a docilidade feroz da chuva
pôs-me na cama mais cedo.

Preciso lembrar-me do mito
e da (in)decente alegria
de estar sozinha em junho -
esse mês grávido de corações nas vitrines
e namorados semi-capitalistas.

O que é junho para uma poeta
inexperiente como eu cuja as pernas
ainda tremem diante do solstícios?
O que é junho para todos mistérios e 
sementes de romã que caem
de minhas mãos vazias
de amanhã?


Karla Bardanza
 




Copyright © 2012 Karla Bardanza Todos os direitos reservados Photobucket

Comentários

Ulisses Reis ® disse…
Bom dia , belíssimo, adorei o poema, e te sigo a muito e as vezes fico devendo um comentario, mas tuas obras são sempre de uma construção e estilo que me agrada, tenha um lindo fds, beijos !!!

Postagens mais visitadas na última semana