ESTOU LIMPA


Estou limpa:

Me desinventei,

Rasguei as veias,

Sangrei tão feliz.



Nas mãos,

O destino pulsa,

(des)caminhos absolutos,

Crimes roucos e dissolutos.



Já não olho para dentro

Do armário, já não procuro

O passado nas gavetas

Cansadas.

Completei todos os vazios,

Atravessei todas as margens,

Todos os rios, sosseguei.



A correnteza me leva docemente.

Indecente descanso,

Manso olhar para o além:

Estou acima do mal

Estou acima do bem.

Abrir as mãos

Tem gosto de sal.



Karla Bardanza

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana