SEGREDO

Sinto que minha asa se parte

Neste queda para o alto

Onde o real me asfixia

Com imagens vagas e até

Vazias deste infinito que

Busco e me anistia.



Sinto que o céu pesa e me

Transcende nesta busca

Por esta sombria chama

Que me consome e conclama

A ser bem maior do que sou

Ou fui.



E mesmo assim, solto as

Amarras e me jogo do décimo

Andar do meu medo e te

Amo um pouco mais a

Cada dia em segredo.



Karla Bardanza










































Comentários

Eduarda disse…
Karla,

as tuas imagens me fascinam

bj

Postagens mais visitadas na última semana