VENTANIA



O desamparo abriu-se:

O adeus abrigou-se

E na caridade tensa

Escrita pelo limiar, o

Desejo incriado fez-se

Verbo e colheita,

Navegando pelo ar.



O silêncio consumiu-se

Na chama lúcida, ferindo

Toda a fragilidade nascida

Da letargia.



Quando a última gota caiu,

Só havia a ventania.





Karla Bardanz
































Comentários

Postagens mais visitadas na última semana