O MAIS COVARDE


 De todos os amores,
o melhor é aquele que
é possibilidade e promessa.
É aquele que nunca chega
porque não tem pressa,
e continua parado, olhando
enquanto
as chuvas de outubro suspiram
perto dos dias santos..

De todos os amores,
o melhor é o que nunca
me escolheu.
Virou as costas para mim
e para o vento
e todo dia ruma em direção
ao esquecimento e aos braços
de um alguém que não me quer
nem mau nem bem.

O melhor de todos o amores,
 foi aquele que 
nunca me mandou flores,
que nunca disse nada além
do que eu podia ouvir
e que fugiu antes mesmo
de eu deixá-lo fugir.

O melhor de todos os meus amores,
foi o mais patético e trágico,
foi quase eterno e mágico,
e continua torto
e incandescente nos dias
frios e nas horas indecentes
que me dividem em duas
nuas metades.

O melhor de todos os meus amores,
foi o mais covarde,
o mais triste e invencível.
Foi aquele que me deixou invisível
até para mim mesma quando
me convidou para morrer.

O melhor de todos
os meus amores
ainda é
o que se esqueceu
ser.







Karla Bardanza















Copyright © 2011 Karla Bardanza Todos os direitos reservados

Comentários

Helô Müller disse…
Karla!
Vc se superou com esta maravilha de poesia!! Gostei demais... talvez porque eu tenha me identificado muito com ela!
Adorei!
Vou pô-la no Blog, qq hora dessas!
Bj meu
Helô

Postagens mais visitadas na última semana