QUANDO A CÓSMICA INDIFERENÇA DA VIDA ESTÁ PERTO


Quadro de Francine Van Hove


Este é um modo especial
de me reconhecer quando pouco
sei quem sou ou quando a vida
em sua cósmica indiferença
me atropela sem muito barulho.

Primeiro procuro os meus detalhes
perdidos: as coisas que me fizeram
chegar até aqui, especialmente,
as mais adoráveis e simples.
Depois, vasculho os olhares alheios,
tentando pescar de outras bocas
se sou louca ou se algum dia fui sã.

Não espero muito para amanhã.
Corro e redesenho
todas as coisas que me fazem
maior do que sou,
mais iluminada,
mais inexplicável.

E sem deixar me reduzir
pela indecisão nossa de cada dia,
salto para dentro do meus caos
essencial, rasgando a pele,
fraturando os céus,
gritando para afastar
o medo que todo dia está mais perto.

Quando o sol está aberto
e eu posso enxergar as minhas imperfeições
com clareza, fico nua diante
de mim, de ti, dessa
que ainda pouco entendo
e que muito desconheço
e morrendo de dentro para fora
e de fora para dentro,
eu cresço.


Karla Bardanza



Copyright © 2011 Karla Bardanza Todos os direitos reservados Photobucket

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana