O MELHOR FILHO DE XANGÔ





Meu cabelo
é preto, pretinho,
selvagem como o meu sangue,
como todos os atabaques
que me chamam de amor.
É Alujá:
começo a chorar
(por ele)

Meu sangue,
minha pele,
meu orgulho 
herdei do meu avô:
cabra danado,
neguinho moleque,
homem de fibra,
o melhor filho de Xangô.

Sentava com ele
e ouvia com a alma
carregada de rezas,
as verdades absolutas
sobre sangue e honra:
essas coisas que o tempo
parece esquecer.

E quando
ele já estava caminhando
para lua
(e isso ficou aqui dentro),
ele me disse
(ele me disse pela primeira e única vez)
"nunca se esqueça
que amo você,
nunca se esqueça
que o meu sangue corre
nas tuas veias."
(Não esqueci Vô)

E sem pedir
a minha permissão,
foi embora com os Orixás
só para ficar mais perto,
muito mais perto
de Xangô e
dizer com orgulho 
"Saravá meu pai,
caô, caô."





Karla Bardanza


Para o meu avô.
Desconheço o autor da bela imagem acima.
Alujá é o toque de atabaque para Xangô.






Copyright © 2011 Karla Bardanza Todos os direitos reservados Photobucket

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana