DE PEITO ABERTO


Quadro de Yigal Ozeri





O tempo me acompanha
por alamedas
que fecho os olhos
para não ver.

Vou seguindo cega,
vou seguindo arisca
pelos planos
que o tempo risca.

Às vezes, descalça,
às vezes amordaçada,
sigo docemente
até o fim do nada.

Há abismos,
cachoeiras e um coração
que reclama prazer.
Há melodias acorrentadas,
Deuses que dançam
e muitas verdades
que pertencem apenas
a mim.

Não paro para analisar
minhas feridas
ou colocar um band aid
na alma.
Que o sangue escorra,
que os pés fiquem acabados,
sigo para além deste mundo profano.

Minha cegueira é sagrada
e eu não tenho medo dos meus desenganos.
A vida me deu
muita coisa que nem achei 
que teria.
Só me resta mesmo
a gratidão, a certeza absoluta
que nasci com cheiro de luta,
com as mãos chamando a lua,
com a coragem nua
de ser sempre eu mesma
por mais difícil
que essa missão possa ser.



Karla Bardanza








Copyright © 2012 Karla Bardanza Todos os direitos reservados Photobucket

Comentários

Helô Müller disse…
Uau, lindo demais!!
Parece que vc fala por mim... pode isso?! rs
Bjs
Helô

P.s. ando sumidinha, sumidinha.... né?

Postagens mais visitadas na última semana