A MULHER QUE AMOU DEMAIS




Ela olha comovida
Sua antiga alma,
Seu resto de vida
Com aquela tristeza
De quem perdeu o olhar.

E olha sem ver
E sente o calor
Sem sentir e grita...
Mas quem vai ouvir?

Pelas encostas da dor,
O amor que se foi.
Tudo tão depressa...
Tudo deveria passar,
E ainda não passou.

Olhando para trás,
Nítido vê o que ficou
E numa estranha
Loucura,
Ou quem sabe talento,
Deixa-se morrer
Numa tarde de vento.

E bem do lado
De quem levou
Seu coração, escondida
Em escuridão está...
Fantasma e sedução,
Ela é morte e paixão.


Presa à roda do destino,
Ela é a saudade
amordaçada,
É a porta aberta
para a madrugada,
Para o que não foi
e nem nunca será.
Ela é o vulto do amor


que não soube amar.




Karla Bardanza

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana