NA CHUVA


Abri minha janela para a sorte entrar.Escancarei o olhar para o horizonte azul e vi o sol deitar no chão deitar no chão. Vi com olhos de ver sonhos verdejantes de meu mundo real. Vi margaridas e rosas charmosas...Ah! Vi o vento carregar saias e anáguas, vi frutas pousarem em mãos,vi a primavera à minha espera só para enfeitar os meus cabelos com jasmins...E vi imenso jardins carregados de nuvens e de romantismo. Abri minha janela e lá fui eu voar com as borboletas, lá fui eu fazer de meu vestido um para-quedas...E lá de cima do infinito descobri que eu sou tão fácil de ler.Entrelinhas tão minhas, labirinto tão particular, sou minha bússola rumo aonde o meu olhar pode me levar. Às vezes me perco de mim, mas sou assim um sonho aberto ao inconsciente coletivo. Mandalas ao luar, símbolos que qualquer um pode entender e não decifrar, mistério de flor, quero a sorte do amor.
E enquanto eu velejava por cima de tetos, na imensidão do céu banhado de luzes, minha janela sem cortinas aguardava em silêncio à minha volta. Lá dentro uma fada sem varinha de condão semeava o meu coração com poesia e cantigas de ninar.Quando voltei de mim mesma, uma diáfana mão deu-me um outro coração. Agora, acordo entre os passarinhos,sou loba a uivar em luar dourado, sou uma águia dormindo no ninho...Abri minha janela,derrubei meus muros, desarmei minhas torres, saí de meu castelo, deixei minhas portas todas abertas e fiz uma grande descoberta...Não adianta me esconder ou fugir...A vida é o que acontece lá fora enquanto eu fico fingindo ou me protegendo.Quem quiser que me ame como eu sou...E eu sou o que escrevo, sou o que sinto, sou o que penso, sou o que vivo...
Abri minha janela para ouvir o barulho da chuva.Agora, não mais resisto, vou lá fora para me molhar.

Karla Bardanza

Comentários

Anônimo disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.

Postagens mais visitadas na última semana