A DOCE POESIA DA MULHER AMADA




E


Quando ela chega,


Decifro poemas,


Trovoadas e problemas.


Abro leitos de rios,


Cheiro a cio,sou uma


Doce revoada de borboletas


E sonhos.


Componho sonatas,


Melodias sem fim


Esperando que ela


Eternize o desejo dentro de mim.


E Quando ela chega,


Escrevo recados no luar,


À beira da nuvem, de


Frente para o ar


Para depois descobrir


Que preciso muito


Partir.


Vou sem pouso, sem chão,


Sem nada e já não ouso


Encontrar a mulher amada.




Karla Bardanza



A minha mulher amada é e sempre será a Poesia.

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana