AINDA


Não cabe no infinito
Aquele olhar para dentro
De mim, para além de meus canteiros.
O mundo inteiro era apenas
Vento, um verbete no meu dicionário
Louco da emoção.

A sala ficou pequena
A luz se anunciou quase perfeita.
A fuga coube naquele instante
Perdido de nós.
Serenidade calada.
Um pouco de poesia logo pela manhã
Cansada.

Reinventei o coração,
Subi rápido os degraus da lua,
Senti a noite bordando invisíveis
Delírios e acontecimentos.
Depois do nosso silêncio,
Resta o tempo e nele,
Busco o que ainda palpita
Em meu corpo e me define
Ainda.



Karla Bardanza

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana