MEU CORPO É ALMA



Algo assiste os meus passos

Entre a noite e os espaços

Que ainda insistem em suspirar

Quando meu corpo é alma.



Eu não sou de mim.

Eu não estou sentada à beira

Da solidão.

Alguém passou e me deu a mão.



Tormentas, furacões, vales perdidos:

Dentro do abismo, ainda vejo

Constelações.



Karla Bardanza

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana