A PALAVRA MAIS DIFÍCIL



Que seja brutal

O que já foi.

Que seja intensa

A memória que

Não sabe ser

Perdão:

A palavra mais

Difícil.




Quando o chão

É ausência, tudo

Está escondido

Na fotografia que

Não mais será.




Onde há tantos

Erros? Onde há?




O pó dos meus dias

Continua lá,

Cobrindo o branco

Dos poemas.

Letras dissonantes,

Distante verdade.




Não sei por onde

Começar ou se o começo

Está onde deveria

Estar.

Assim está feito.

Perfeito o que não tem

Passado ou perfeição.




Que seja fácil e breve.

Que seja leve o vôo,

O corpo livre, aberto,

Caindo do céu em

Rota de colisão com

A mentira tosca e tola

Da paixão.




Escute a música.

Quem está aqui,

Não está mais.

Transborda,

Excede.

Sim, escreve poemas

De amor:

Combustível de ódio

Diluindo o nada.




Sentir.

Sentir na alma, na boca,

Nas palavras ditas deve

Ser mais.

Há de ser mais do que isso.




Sentir é coisa sagrada.








Karla Bardanza













































































































Comentários

Postagens mais visitadas na última semana