A VIDA VAI ME MATAR ALGUM DIA

  A vida ainda vai me matar algum dia
enquanto eu voou para o (des)conhecido,
ouvindo aquele velho grito, 
que guarda os meus segredos
nos bolsos furados do talvez.

Espero que alguém me atire respostas logo
ou me salve, pois a gilete está enferrujada
e a janela entreaberta. Estou cega demais
para ver qualquer estrela
ou o sol atrás do arame farpado.

Talvez eu encoste a minha cabeça no ombro do desespero
e alimente a lua sangrenta enquanto
me afogo nas águas misteriosas do meu inconsciente.

Talvez eu me case com a angústia dos meus olhos
e abra o zíper dos meus medos, caindo feliz em algum abismo.
A viagem é sempre doce apesar de tudo.

Acho que a vida vai me matar algum dia
e eu estarei em alguma sombra, com a testa franzida,
olhando para essa coisa feia dormindo dentro de mim.

Espero não esquecer o portão aberto desta vez:
este portão que sempre me leva de volta
para essa grande ilusão diária
ou eu nunca terminarei esta nota suicida.

A vida ainda vai me matar algum dia
e eu continuo aqui lambendo no escuro
a mesma ferida.





Karla Bardanza












Copyright © 2011 Karla Bardanza Todos os direitos reservados

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana