PONTO DE EBULIÇÃO

 Enquanto ela esperava,
um fogo estranho queimava
os seus olhos de assombro,
a sua pele imaculada,
as sua santidade
quase desprotegida.


A tarde ardia dentro dela
em vontade e vida.
O que se quer é sempre
melhor.
Labaredas lambiam
o seu vestido vermelho,
a sua umidade natural
com sofreguidão.

Ela antecipava o sonho,
buscando as sombras
pelas mãos.
Em algum lugar,
o destino fervia,
o prazer era apenas
ebulição.

Quando ele chegou,
ela fechou o guarda-chuva
e deixou-se queimar
em desconhecidas chamas
até o sol
deitar para dormir
naquela cama barata
também.

Depois que nada mais
restava,
toda a vida
acendeu
dentro dela,
fazendo-lhe tanto bem.




Karla Bardanza














Copyright © 2011 Karla Bardanza Todos os direitos reservados

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana