MINHA MÃE ME ENSINOU A OLHAR

Quadro de Alphonse Mucha



Ontem, sentada, sozinha,
tive medo:
não um medinho.
Mas, esse tipo de medo
que apenas as crianças sentem.

Minha mãe lá dentro,
em mais um exame
e eu do lado de fora, congelando
junto com as outras pessoas
na sala cheia de portas
e desasossego.

Um casal chegou com o seu bebê,
uma mãe com o seu filho adolescente,
senhoras, senhores, 
gente, tanta gente.

Li uma revista, fingindo
não perceber o meu abandono.
Subitamente, lá estava eu com oito anos,
esperando minha mãe na porta
da escola, com as unhas roídas,
pensando: "Mãe, cadê você?"

Quatro horas de angústia,
uma eternidade, 
um século.
Não vi quando minha mãe
saiu lá dentro.
Meus olhos estavam fechados,
olhando para dentro,
olhando a praia e os peixinhos
que sempre observávamos
ou mesmo as estrelas e as nuvens.
Minha mãe me ensinou a olhar.

Senti o abraço dela,
o sorriso feliz.
Minha mãe estava ali comigo,
de novo.
O exame foi difícil, doloroso.
Porém, minha mãe estava ali, 
de volta,
de pé,
na minha frente.

Olho para ela,
e vejo todo o meu passado,
toda a minha vida,
todas essas coisas que o amor
entende.

Saímos sem pensar
no que irá acontecer.
Saímos felizes
e leves.

Descemos pelas escadas
e não sei bem como explicar isso,
mas acho que minha mãe
estava iluminada.





Karla Bardanza










Copyright © 2011 Karla Bardanza Todos os direitos reservados Photobucket

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana