QUERERES

Quadro de Tom Bagshaw


Queria te doer
assim igualzinho
aquela música que
faz conter a minha ferocidade
dissimulada e tonta.

Como fazer essas coisas
que parecem exoticas
e cegas virem à superfície?

Queria muito te doer
como uma alegria desesperada,
uma faca cega entrando
no peito e cortando muito
por cortar tão pouco.

Como esfolar
o machucado já esfolado
e sujo?

E de tudo que dói,
dói muito mais em quem
mais sente e se contradiz
porque perdeu o F de feliz
e todas as palavras
que já não podem caber
na boca assustada
e doente.

Mas quando acaba a verdade,
pára de escorrer
o passado pelas chagas,
pelas escaras,
pelos buracos abertos
com as mãos suadas
e distantes da absurda paz.

E isso que dá de vez 
em quando é retirado
a pinça todo dia
sem caridade.

(A verdade é sempre
pra quem amou mais)


Queria muito pouco:
apenas de matar de paz.
Essa paz que me deixastes
nos bens
quando dividimos
quase tudo
do café até o mundo.


Mas eis que 
o querer é apenas um querer.
E você...
Ai...
Quem foi-é você?




Karla Bardanza











Copyright © 2012 Karla Bardanza Todos os direitos reservados

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana