PÂNDORA

Quadro de John William Waterhouse



Não temas quando tua cândida Pandora
abrir a caixa cegamente mais uma vez.
Tu bem sabes que nada agora
poderá salvar-te de outra insensatez.

Quando a escolhestes de olhos fechados,
esquecendo o destino e os seus gritos,
deixastes meus beijos tão desamparados,
perdidos entre dois cegos infinitos.

Seja forte, segure o leme até o fim.
O caminho foi escolhido sem pensamento,
não há flores neste meu calado jardim
despetalado pelo teu morno vento.

Desejo-te apenas mel e esperança
para não sucumbir diante da devastação.
Nada deixastes para trás na mudança
além de minhas lágrimas no colchão.

Mas um dia levantei altiva e forte,
pronta para encontrar um outro deus.
Aqui restam para ti enxofre e morte
porque até mesmo o passado já te esqueceu.


Karla Bardanza








Copyright © 2012 Karla Bardanza Todos os direitos reservados Photobucket

Comentários

Helô Müller disse…
Ah, Karla, vc arrasa, mulher!! Lindo demais... Nossa Mãe!!

Bj
Helô

Postagens mais visitadas na última semana