AS LINHAS DO PURO PRAZER


Quando minha vista

Cansada se deita na rede

mais angustiada da varanda,

Procura livros e explicações.

Vasculha palavras, rabisca

Letras com um amarelo

Popular e pede a metáfora,

A antítese, o desejo e

A resposta.



Passa horas enlouquecendo,

Buscando o Graal do

(des)conhecimento,

Imortalizando o tempo

Que nunca envelhece

Quando aprende.



A alma bebe,

O corpo sacraliza

As páginas, o ato

É ritual e catarse.



E eu mergulho

No fonema, na sílaba,

Na frase, no parágrafo,

No texto que me amarra

Com as linhas do puro

Prazer.



Karla Bardanza

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana