AS TRISTEZAS DA LUA



Eu

Apenas

Sento na

Esquina mais

Longe e choro

Para eu mesma

Escutar.

E cada lágrima

É uma ponte

Que foi, que

Quase chegou

A ser . É

Uma luz,

É um poema.



E cada poema é

Um filho parido

Entre as flores,

Entre as dúvidas

Essenciais quando

O luar é Clair de Lune

E eu me desculpo,

E eu me culpo por

Estar ainda viva.



Porque a

Vida é apenas

As tristezas da lua,

A boca calada,

A covardia nua.



Porque a vida é

Apenas Isso que ouço

Como o lamento

Do céu dentro

Das minhas

Palavras

Sem

Voz.









Karla Bardanza












































































Comentários

Postagens mais visitadas na última semana