NOVE LUAS



Ninguém pode saber o que sonho
quando a melodia arrasta o passado
pelos corredores e as mãos atormentadas
desenham a flor chorando.

O ventre pronto para parir o futuro,
o escuro da dúvida,
os tantos ritos para acontecer
no silêncio da caminhada.

Era eu e o nada do momento.
O tempo coberto de arranhões
sangrava e prometia.
Dentro de mim, ela era poesia
brotando em nove luas, nua
como a delicadeza deve ser.

Aguardei o silêncio, olhando
o que faria de mim, plantando
um jasmim sem raiz, tentando
ser feliz no meu jardim de rosas
negras.

A primeira vez que vi o anjo
em prantos, amei mais.
Não sabia muito o que o destino
queria comigo, não sabia.
Contemplo o que se foi agora
e vejo a mulher sozinha e a sua
cria.

Ela ainda esta aqui
e aprendeu finalmente
a sorrir.



Karla Bardanza 











Observe-me com a leveza de uma bolha de sabão... e ache minha beleza... Ela está ao meu redor...no meu calor...no meu estado permanente de flor.
-Karla Bardanza-

Comentários

. disse…
Lindo poema.
Sem dúvida uma linda homenagem à um momento são singular...
Bjss

Postagens mais visitadas na última semana