COM A CARA SUJA DE AMOR


Quando ele inaugura a manhã daquela mulher
que nasceu borboleta sem entender
é porque desabotoa a boca e deixa
o amor cair aos pés dela.

Ele chega com as mãos cobertas 
de poemas e
o jornalista que vive de plantão
no peito dele, vai descansar um pouco.
 Ele fica tão louco que dá licença para
o poeta sair de dentro dele.

Toda vez que esse milagre poético acontece,
ela pode ouvir Ryuichi Sakamoto
ao redor e se sente menos só,
menos pedra,
menos.


As palavras ficam livres, a sintaxe
não precisa de sentido e os dois
abraçam as metáforas, beijam
as entrelinhas, fazem do desejo
a tarefa principal.


E muito depois
que tudo desacontece,
os dois ficam com os olhos de flor,
com a pele de pêssego,
com a cara suja de amor.




Karla Bardanza







Observe-me com a leveza de uma bolha de sabão... e ache minha beleza... Ela está ao meu redor...no meu calor...no meu estado permanente de flor.
 -Karla Bardanza-

Comentários

adorei essa cara suja de amor! Amor é mesmo para se lambuzar, rolar, sujar!
Linda sua poesia Karla.
Bom dia

Postagens mais visitadas na última semana