AS FRONTEIRAS QUE LIMITAM O VAPOR

Quadro de Leandro Lamas





Dançaremos neste tempo de sobra.
Antecipo nossa nudez nesta
 continuação enlouquecida
do que nunca aconteceu
pela sala, 
pelos corredores vermelhos, 
pelos espelhos
que refletem apenas o que me mim
excede.

Já não distingo mais o meu corpo
do teu, nem enxergo as fronteiras
que limitam o vapor.
A faíscas do amor sempre acendem
mesmo que o destino nunca se cumpra.

Repetiremos o dia seguinte
após o dia seguinte
na dança inesgotável das horas suaves:
minha pele indefesa
aguardará o teu infinito.

E enquanto o ar solidifica o nada,
tenho apenas o privilégio
do que sinto.





Karla Bardanza









Copyright © 2011 Karla Bardanza Todos os direitos reservados Photobucket

Comentários

Amiga Karla, teus versos bailam ao sabor das lembranças doces do amor. Lindo deixar-se levar por estas linhas. Parabéns!

beijos nossos!

JD

Postagens mais visitadas na última semana