A ROSA DO DESERTO

Quadro de Arthur Braginsky




Quando ele fala,
as palavras se recusam a seguir
em linha reta.
Ficam paradas no ar
e depois espatifam no chão,
sem nunca chegar ao alvo.

Alguma coisa nele
não consegue ir adiante
como aquele poema
abandonado na mesa
da sala, como as dívidas
sujando o passado e o presente,
como os sonhos amarrotados
dentro da cabeça.


Falta o fogo que ela roubou
de suas mãos.
A rosa do deserto
mora ainda em seus porões
intranquilos, em suas pequenas
verdades.
Os limites das sombras
morrem dentro dele
todas as manhãs
quando tudo
é uma flor
que ainda intoxica
e o faz dormir.





Karla Bardanza












Copyright © 2011 Karla Bardanza Todos os direitos reservados Photobucket

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana