SOBRE MUDANÇAS, DESEJOS E FLORES

Quadro de Will Wilson




Agora que o ano acabou, estou pensando no futuro. É assustador estar diante de 365 dias e um monte de dúvidas e coisas que podem ou não acontecer. É claro que fiz uma listinha com os meus desejos para 2012. Planos tenho, apenas não sei se conseguirei pô-los em prática. Viver é uma tarefa árdua com todos os desafios. No entanto, qual seria a graça se a vida não fosse um eterno combate? Minha maior inimiga sou eu mesma.Travo longas batalhas com o que não aceito em mim. Hoje como era o primeiro dia do ano, jurei que iria passar um tempinho comigo e me dizer todas as coisas que me fazem única e especial. Foi uma egotrip. Fiz amor com as minhas celulites, pele e pelos. Fiz as pazes com os meus cabelos, apaixonei-me mais uma vez pelos meus adjetivos. Descobri alguns que estavam escondidos por camadas de insegurança. Ser mulher atualmente é ter que estar de caso com a mídia. Nunca consegui ser a boazuda de plantão. Acho que malhei demais o cérebro e esqueci das curvas. Elas são necessárias também. Acho até que você pode imaginar o meu desejo número 1.Se você pensou emagrecer, acertou. Quero perder uns kilos de falta de ousadia, timidez, baixa autoestima, insegurança, problemas tão meus que devem ser iguaizinhos aos de todo mundo. Não dá para ser a senhora perfeita. Ainda bem que a perfeição nem existe senão esse mundo seria muito mais triste porque é justamente ela que dá uma corzinha na vida. Vivemos correndo atrás do corpo perfeito, do homem/mulher perfeito/a, do trabalho perfeito, do sexo perfeito. Ora bolas! Isso não está no roteiro. A gente tem é que se aperfeiçoar enquanto ser humano. Tentar ser bonito por dentro porque esse negócio de beleza vem é lá de dentro. Eu sei que beleza exterior é fundamental para um monte de pessoas. Porém, beleza não prende homem, não segura emprego, não garante nada. E o pior, o belo é efêmero. Amo a beleza das flores mas elas morrem rapidamente com o tempo. Já outras qualidades como delicadeza, gentileza, paciência, amizade, generosidade, compaixão, fé permanecem. Isso até pode parecer romântico. Bem só pode porque não é. Ouço pessoas reclamarem o tempo todo de qualidades que morreram. Creio que estamos cansados das coisas pela metade: da beleza exterior vazia de sentidos, do amor descartável, do sexo desemocionado, do descompromisso de um para com o outro, da intolerância, da mediocridade do sentir. Precisamos mudar e resgatar a sacralidade da vida e, sinceramente, o que torna a vida sagrada é o ser humano que se deslimita e faz a diferença com o seu coração.

Bem, voltando ao assunto da minha lista, vou emagrecer e cortar definitivamente da minha vida tudo que for perigoso e tóxico: pessoas, relacionamentos, sentimentos, pensamentos negativos, etc, etc. Preciso resgatar tanto o meu corpo quanto a minha alma com calma, muita calma. Esse ano, vou desacelerar. Vou trocar os óculos e fazer uma dieta de imagens negativas e coisas que empobrecem a vida. Vou tentar cair menos e se cair, vou dar a volta por cima sem ficar me culpando ou arrumando culpados. Se sobrar tempo vou inventar uma nova terapia: a terapia da gratidão. Todo dia, religiosamente, vou agradecer a oportunidade de estar aqui e de recomeçar. Eu sei que não vai ser fácil mudar padrões, buscar coragem no fundo de mim para me enfrentar, para renascer, para mudar mas como Ghandi disse tão bem "seja a mudança que você quer ver". Não posso mudar o mundo, posso mudar quem sou, posso reescrever a minha história, posso redesenhar o futuro. Vou tentar. Já comecei hoje. Amanhã vai ser mais fácil. O negócio é continuar mesmo quando o destino disser não. O grande segredo da vida é seguir em frente, é ser gente. Apenas gente. E isso conseguiremos se fecharmos os olhos para ver a beleza escondida do outro. Só precismos tentar.



Karla Bardanza




Copyright © 2012 Karla Bardanza Todos os direitos reservados Photobucket

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana