POEMA ENTRE A ALMA E O CORAÇÃO


Os passos finos da chuva lá fora

Acendem o momento, refrescam a

Memória da pele enquanto eu

Desenho o teu rosto com os meus

Dedos imaginários, fazendo curvas

Profundas nos vãos inquietos do

Desejo. Pontes tão distantes separam

Tua alma do meu coração. Meus olhos

Sem luz lamentam a escuridão e a

Impossibilidade. Nada há, além disso,

Moldado pela argila e pelo não.


As folhas das árvores quedam plenas

De vida, gotas beijam os vidros da

Janela e o mar está indeciso como

Sempre. A paisagem abre o meu olhar.

Vejo tão pouco, ouço quase nada: as

Palavras já não podem me entender

Ou explicar. Descanso no sofá, percebo

O teto mais uma vez e todas as minhas

Imperfeições. Durmo nos meus próprios

Braços tão cansados da hora suave.


Karla Bardanza
















































Comentários

OI amiga. Que lindo poema. Porque sumiu de minhas páginas?
Saudades. Tua amiga.

Postagens mais visitadas na última semana