A VIDA SEM ADJETIVOS

O silêncio empresta ao corpo
o momento em branco
como se todas as metáforas
explicassem a vida,
vergando o corpo
diante do sacrifício.

A luz apaga os sonhos
na cama larga:
tudo está pleno
e vazio de sentido.
Escuta-se o nada
imperfeito, a sinfonia
nos acordes da dor
As paredes sofrem
com calma.
 
Isso não é saudade.
Isso não é angústia.
É algo enorme,
algo maior que devora,
engole e ainda assim
não contém o que a pele
derrama, o que o corpo
implora e reclama.

E quando a hora sucumbe
ao que não pode ser entendido,
a alma fica tão mais pesada
para carregar.

Essa lacuna permanece
assustada, impossível
e quando o corpo
sai da letargia,
a vida está muito
mais pobre,
muito mais
sem adjetivos
ou possibilidades.



Karla Bardanza













Copyright © 2011 Karla Bardanza Todos os direitos reservados

Comentários

Helô Müller disse…
Que maravilha, Karla!
Tuas palavras mexem lá no âmago...
Bj
Helô

Postagens mais visitadas na última semana