BONECA DESCABELADA


Quando chega sexta-feira,
ela procura pelo ar
que já falta
e cai na cama
já morta, dormindo
sem dormir,
sonhando sem sonhar.

A vida morre no relógio,
nos ponteiros malcriados,
nos ônibus eternamente
parados na Avenida Brasil.

Ela já está acostumada
as migalhas que a vida traz.
Paz apenas aos domingos
entre um intervalo e outro
quando estende a roupa na
corda rôta dos acontecimentos
que desacontecem.

Às vezes, ela se pergunta
quando algo vai mudar.
Mas, não espera mais por
milagres de última hora.

Quando apaga a luz do quarto
já bem tarde, uma coisa arde.
A vida vai embora.

Diante das evidências,
vira de lado,
sofre sem exatidão.

No dia seguinte
quando tem um tempinho,
lê o horóscopo e perde-se
nas linhas apagadas
de sua própria mão.

Todo dia ela reinventa
a sua mentira feliz,
dando ao a mundo
a sua melhor performance,
sendo uma boneca descabelada
ou talvez uma pobre atriz.



Karla Bardanza











Copyright © 2011 Karla Bardanza Todos os direitos reservados

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana