AMOR-(IM)PRÓPRIO

Quadro de Matteo Arfanotti




Me concedo o direito
de te esquecer todo dia mais
um pouco até que estejas morto.

Até que o meu corpo
diga amém.

Esta utopia me deixa tão zen,
tão mega-ultra-super-moderna.
É sensacional viver sem dramas,
tramas, fios que enrolam
o desespero.

Não me libertei.
Aprendi que há vida
depois de perder
o amor-(im)próprio.


Viver é sempre
reciclar o coração.
Tenho uma nova palavra
entre aspas:
"recomeço".
Tenho uma nova linha
na palma da mão.


Karla Bardanza


Copyright © 2011 Karla Bardanza Todos os direitos reservados Photobucket

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana