TEU QUASE POEMA DE AMOR

Quadro de Josh George



Espremido de abandono
vai o amor pelas ruas desconhecidas
onde um carro estacionado
nos faz reféns da noite.

Minha pele abraça a tua
sem pudor, meu rosto
canta praias, palavras, pensamentos.
(meu rosto é uma dor que não vês)

O vento carrega as ondas
para dentro do que deixamos
de ser...
(...porque foi mais fácil assim)

Beijo tua boca com gosto
de fumaça e adeus,
e um deus desconhecido lá dentro de mim
me avisa que já está na hora.

Naquele carro,
ficou o meu perfume barato,
um pouco do céu
e dos teus olhos sempre quase meus.
(Havia tanta tristeza em ti...)

Levei pouco em mim
também: apenas o necessário
para saber dizer nunca mais...
...mais...

Fostes amado
como eu não sabia.
Fostes amado
pelo meu perdão,
pelas minhas desculpas,
pela culpa cimentada
aqui dentro.

Fostes amado
pelo tempo
que senta no sofá da sala
e me acompanha todos os dias.

Fostes amado
pelo amor que ainda te ama.

O que restará do céu
sem as contelações de Touro e Escorpião?

Um dia, sonhamos
com possibilidades, signos
e sinastria.

Um dia...
(mais...)
Um dia.






Karla Bardanza





Copyright © 2012 Karla Bardanza Todos os direitos reservados Photobucket

Comentários

Postagens mais visitadas na última semana