QUANDO O MARUJO NÃO OUVE A SEREIA



Se eu esperar para encontrar a resposta,

Essa que escondestes nas portas do mar,

Perderei o caminho e todas as apostas

Apenas por um pouco de vinho e luar.



Se tento acreditar, meu navio naufraga

Em mares sem azul ou mesmo areia.

Estou ancorada no cais que embriaga

Quando o marujo não ouve a sereia.



Não consigo içar as velas desse tempo.

Estou presa na vã espera da amargura

Que não segue os cabelos do vento,



E desconhece os apelos da doce candura.

Digas, meu senhor, ouves o meu lamento

Ou tudo isso morrerá na noite escura?



Karla Bardanza



Comentários

Isa disse…
Adorei!!!

beijinho.
Isa
Karla Bardanza disse…
Oi Isa!

Obrigada pelo comentário.

Beijo

Karla Bardanza

Postagens mais visitadas na última semana